BANDAS AUTORAIS

BABY, É O FIM DO MUNDO: LIVY LANÇA NOVO SINGLE EM VIDEOCLIPE.

“Do eco do Blues carregado pelos negros do Mississipi até a percepção de um Caetano em terra brasileira .

Publicada em 27/07/22 às 06:15h - 66 visualizações

por Tarciso Laurentino


Compartilhe
Compartilhar a notícia BABY, É O FIM DO MUNDO: LIVY LANÇA NOVO SINGLE EM  VIDEOCLIPE.  Compartilhar a notícia BABY, É O FIM DO MUNDO: LIVY LANÇA NOVO SINGLE EM  VIDEOCLIPE.  Compartilhar a notícia BABY, É O FIM DO MUNDO: LIVY LANÇA NOVO SINGLE EM  VIDEOCLIPE.

Link da Notícia:

BABY, É O FIM DO MUNDO: LIVY LANÇA NOVO SINGLE EM  VIDEOCLIPE.
 (Foto: Matheus Augusto)

LIVY, cantora e compositora paulista, é um aglomerado de experiências. É o resultado da menina curiosa que conheceu Dire Straits com o tio descolado e Robert Plant com a mãe setentista. LIVY é bastante sobre harmonia, mas é mais ainda sobre letra e significado. E foi assim, com esse espírito, que surgiu o single “Baby, é o fim do mundo”, lançado nesta terça-feira (19) nas principais plataformas digitais.

Influenciada por Johnny Cash, Alex Turner, Lana Del Rey, Billie Eilish e Nina Simone, LIVY é uma antena aberta, que capta toda frequência próxima dela, refina e transforma em rádio própria. “Do eco do Blues carregado pelos negros do Mississipi até a percepção de um Caetano em terra brasileira — tudo me atrai e é útil na hora de transmitir uma mensagem. Considero meu trabalho como exitoso quando acesso, de alguma maneira, outra alma humana. E música é sobre isso. Conectar, revirar, reconstruir e resgatar”, explica.

Segundo a compositora, “Baby, é o fim do mundo” é uma reflexão interna, que apesar de falar sobre algo subjetivo e íntimo, tem como centro, um assunto mais pesaroso e coletivo que descreve de forma melancólica um mundo distópico. “As ruas haviam sido esvaziadas, lockdown instaurado. Temi pelo futuro e a única coisa que consegui fazer foi sentar e cantar pra pessoa que eu amava, mesmo a 10 mil km de distância: ‘Baby, é o fim do mundo’”, conta LIVY, que coloca os acordes pra fora, como uma tentativa de anestesiar a dor. “Na História, a Humanidade sempre renasce após um longo período de escuridão. Que os dias sombrios nos renovem para uma melhor versão de nós mesmos. ‘Baby, é o fim do mundo’ é o meu pequeno renascimento nascido da minha escuridão. Espero que inspire às pessoas a fazerem o mesmo”, revela.
 
A faixa, com produção musical de Ge Marzzano e masterização de Brendan Duffey, ganhou ainda um videoclipe.  “Não queria nada ensaiado, queria cortar excessos. No fim do dia era tudo sobre uma menina e um violão numa cidade fantasma, compondo música sobre amores iludidos, no fim do mundo, em uma casa de madeira. E assim foi”.

Ouça “Baby, é o fim do mundo” no Spotify:
Arte de capa: Raphael Mortari

 


Paola Zambianchi 
Farol Music // Assessoria de imprensa
assessoria@farolmusic.com.br
+55 11 981069171



ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (55)11980151916

Visitas: 150254
Usuários Online: 51
Copyright (c) 2022 - Run Rock Music Web Radio - WEB RÁDIO RUN ROCK MUSIC, A PLAY LIST DE SUA CORRIDA.
Converse conosco pelo Whatsapp!